Thales eSecurity News Release

Organizações brasileiras aumentam o uso da criptografia para attender aos novos regulamentos e aos ataques cibernéticos

Pesquisa multi-nacional da Thales conclui que a criptografia e o uso de chaves criptográficas tem se tornado questões estratégicas de negócios para abordar os regulamentos de sgurança e gerenciar os riscos

, líder em sistemas de informação e segurança da comunicação, anuncia o lançamento do Estudo das Tendências em Criptografia de 2011- Brasil. O estudo revela uma crescente conscientização no Brasil em relação aos riscos na segurança de dados e ao uso de soluções de criptografia para combater tais riscos. Este é o único estudo anual com enfoque no uso da criptografia no Brasil e faz parte de um estudo global conduzido pela empresa de pesquisa independente Ponemon Institute e patrocinado pela Thales.

Mais de 4.000 executivos e gerentes de TI foram entrevistados nos EUA, Reuno Unido, Alemanha, França, Austrália, Japão e, pela primeira vez este ano, Brasil.

O estudo mostra que a taxa de uso de criptografia varia entre os diferentes paises. No entanto, o que está claro é que a criptografia está crescendo em importância em todos os paises pesquisados, com empresas aumentando a utilização da criptografia com parte integral da estratégia de proteção de dados.

Dentre as organizações brasileiras, o motivo mais importante para o uso de soluções de criptografia é proteger a marca ou danos à reputação resultante de uma violação dos dados (44%). Também muito importante para as organizações brasileiras é assegurar que os seus compromissos de privacidade sejam honrados (31%).

A criptografia é agora vista como uma questão estratégica de negócios não somente restrita ao departamento de TI, mas com os líderes de negocios ganhando maior influência sobre a estratégia de criptografia de suas empresas. O estudo revela que, como em outros paises, o CIO, CTO ou o líder de TI no Brasil ainda continua sendo a figura de maior influência na decisão da estratégia de criptografia (22%), mas os gerentes de outros departamentos começam a ter uma crescente influência nesta estratégia (14%), demonstrando que a criptografia está deixando de ser apenas uma questão de TI e se tornando uma questão que afeta toda a organização. Isso também demonstra uma tendência na consumerização da TI.

Para os entrevistados brasileiros, as características mais importantes da criptografia são a certificação independente para os padrões de segurança (45%), proteção de chaves por meio de dispositivos de hardware dedicados (44%) e a gestão automatizada das chaves de criptografia (43%).

“O fato do Brasil ter sido incluido neste importante estudo pela primeira vez é um reconhecimento dos importantes passos que as organizações no Brasil tem tomado para resolver os seus desafios de segurança de dados”, comentou Cindy Provin, Vice-presidente das Américas para a Thales eSecurity. “Isso faz do Brasil um mercado particularmente importante para nós e por isso a Thales eSecurity está investindo para aumentar a sua presença no país”.

O Thales, Módulo de Segurança em Hardware (do inglês Hardware Security Module - HSM), passou recentemente por testes de laboratório e está aguardando a certificação final do Instituto de Tecnologia da Informação (ITI) para ser utilizado com a ICP Brasil, infraestrutura nacional de chaves públicas (PKI). O Thales oferece alta segurança no processo de criptografia e proteção de chaves e aplicações subjacentes aos processos críticos de segurança, ajudando com as necessidades de criptografia, proteção de dados e conformidade.

525 executivos e gerente de TI de organizações brasileirs foram entrevistados para este estudo. O primeiro estudo das tendências de criptografia foi realizado nos EUA em 2005. Desde então, a abrangência do estudo tem expandido para incluir países em diversas regiões do mundo.

Thales estará presente junto com a First Tech no CIAB Febraban 2012, estande B38 – Transamérica Expo Center, 20-22 de Junho, 2012. Venha nos visitar!